Dias Pranicos – 28/02 e 01/03

“Um coração que ama é um coração que cura. É o amor que cura”
– Mestre Choa Kok Sui

Juntamo-nos à comunidade pranica mundial para divulgar esta terapia com acções solidárias. Faça parte desta ideia!

Dois dias para conhecer melhor os ensinamentos compilados pelo Mestre Choa Kok Sui, com formação e clínicas solidárias, cujos donativos reverterão a favor de uma instituição que trabalha com crianças.

A instrutora Rita Bandeira de Melo estará connosco para dar o Curso Básico de Terapia Pranica e trocar ideias com todos os que queiram aderir a este evento.
As Clínicas Pranicas Solidárias são asseguradas por praticantes de Terapia Pranica que farão sessões individuais (por marcação) a todos quantos quiserem experimentar e conhecer melhor esta prática.
É também uma boa oportunidade para aqueles que de momento não têm possibilidades de pagar uma terapia, por isso ajude-nos a divulgar!

Nestes dois dias haverá sessões de Meditação, de entrada livre, também por donativo.
Saiba mais sobre Terapia Prânica

Os valores angariados irão reverter a favor do Centro Social Jesus Maria José, no Dominguiso.
Inscreva-se a participe!
Estrela Zen – 275 315 307 / 969 289 263
geral@estrelazen.com

Diz-me o que atrais, dir-te-ei quem és

Para reflectir sobre aqueles episódios da nossa vida que nem sempre entendemos…

580429_370218059744480_203190085_n

“Ainda continuo a sentir as pessoas a falar dos seus dramas como se de castigos divinos se tratassem e como se fossem decretos finais do velho e ameaçador Deus religioso.

Vai levar o seu tempo até despersonalizarmos a noção do divino que ainda temos e mudá-la para o simples conceito de que tudo é simples energia em constante mudança de frequência e vibração.

A Vida deu-nos a liberdade de fazermos uso da nossa energia pessoal e de experienciá-la das mais variadas maneiras.
Desde as frequências mais baixas às mais elevadas.

Não existe castigo nem punição.
Apenas energias atraindo energias com vibrações idênticas.

Tal como apenas duas pilhas de frequência igual funcionam na mesma máquina, também a nossa energia atrai frequências idênticas para se conhecer.

Por ex. Uma das intenções que fizemos na Fonte foi escolher vir aprender/sentir/experienciar a tristeza. (pode ser medo, injustiça, insegurança, coragem, etc.).
Aquela frequência energética irá fazer atrair pessoas e experiências que reforcem a tristeza até que a reconheçamos, aceitemos, experienciemos e processemos emocionalmente. Só depois de feito este processo poderemos então e quando assim entendermos, escolher conscientemente sair dessa vibração, ajustar a nossa escala e escolher uma experiência nova.

A dinâmica energética acontece, seja ela consciente ou inconsciente.

Não é um castigo nem um azar que esse tipo de situações se repitam nas nossas vidas, como a nossa mente tantas vezes nos sugere.
É apenas a energia a seguir as suas regras de atracção.
Imaginemos uma escala emocional de 0-10.

‘0’ corresponde à indiferença, raiva, pânico.

‘3’ corresponde à tristeza, medo, insegurança.

‘5’ corresponde a alegria, esperança, optimismo

‘7’ corresponde à coragem, força, segurança

’10’ corresponde ao amor, fé, valorização pessoal

Todos gostamos de pensar que estamos no 10, certo?
A tua consciência te dirá em que número estás…

No entanto nós não atraímos o que queremos, o que gostávamos, o que acreditamos ou sequer o que pensamos.
Atraímos o que quer que esteja na mesma frequência emocional da nossa energia.
E pelo que tenho observado quando questiono às pessoas “Em que estado de 0-10 está a tua valorização pessoal e amor próprio”?, os números são honesta mas ridiculamente baixos.

Aliás hoje, mais do que nunca, a verdade virá facilmente ao de cima e por isso basta-nos olhar para a qualidade dos desafios e das pessoas que cada um anda a atrair para termos uma ideia sobre a frequência energética e emocional em que cada um está.

Infelizmente a educação que nos deram ficou-se pela triste e deprimente ausência total de consciência deste processo, pela desresponsabilização de que a nossa energia co-cria a nossa realidade e como tal podemos alterá-la e pelo simples julgamento negativo do outro sem percebermos que o outro está na nossa realidade pois encontra-se na nossa vibração.

Esta falta de “noção do eu” e do processo de “atracção”, do que somos (energia), do poder que temos (de co-criar e mudar a realidade), tornou-nos presas fáceis do manipulador ego que resiste a todo e qualquer processo de consciência.

Seja do reconhecimento das nossas sombras ou vibrações mais baixas.
Seja do reconhecimento da nossa luz ou das vibrações mais altas.

Por isso nos tornamos agressivos quando nos apontam uma sombra.
e resistimos envergonhadamente quando nos mostram a nossa luz.

O grande processo de auto-conhecimento começa então com a simples pergunta:
Ainda continuo a sentir as pessoas a falar dos seus dramas como se de castigos divinos se tratassem e como se fossem decretos finais do velho e ameaçador Deus religioso.

Vai levar o seu tempo até despersonalizarmos a noção do divino que ainda temos e mudá-la para o simples conceito de que tudo é simples energia em constante mudança de frequência e vibração.

A Vida deu-nos a liberdade de fazermos uso da nossa energia pessoal e de experienciá-la das mais variadas maneiras.
Desde as frequências mais baixas às mais elevadas.

Não existe castigo nem punição.
Apenas energias atraindo energias com vibrações idênticas.

Tal como apenas duas pilhas de frequência igual funcionam na mesma máquina, também a nossa energia atrai frequências idênticas para se conhecer.

Por ex. Uma das intenções que fizemos na Fonte foi escolher vir aprender/sentir/experienciar a tristeza. (pode ser medo, injustiça, insegurança, coragem, etc.).
Aquela frequência energética irá fazer atrair pessoas e experiências que reforcem a tristeza até que a reconheçamos, aceitemos, experienciemos e processemos emocionalmente. Só depois de feito este processo poderemos então e quando assim entendermos, escolher conscientemente sair dessa vibração, ajustar a nossa escala e escolher uma experiência nova.

A dinâmica energética acontece, seja ela consciente ou inconsciente.

Não é um castigo nem um azar que esse tipo de situações se repitam nas nossas vidas, como a nossa mente tantas vezes nos sugere.
É apenas a energia a seguir as suas regras de atracção.

Imaginemos uma escala emocional de 0-10.

‘0’ corresponde à indiferença, raiva, pânico.

‘3’ corresponde à tristeza, medo, insegurança.

‘5’ corresponde a alegria, esperança, optimismo

‘7’ corresponde à coragem, força, segurança

’10’ corresponde ao amor, fé, valorização pessoal

Todos gostamos de pensar que estamos no 10, certo?
A tua consciência te dirá em que número estás…

No entanto nós não atraímos o que queremos, o que gostávamos, o que acreditamos ou sequer o que pensamos.
Atraímos o que quer que esteja na mesma frequência emocional da nossa energia.
E pelo que tenho observado quando questiono às pessoas “Em que estado de 0-10 está a tua valorização pessoal e amor próprio”?, os números são honesta mas ridiculamente baixos.

Aliás hoje, mais do que nunca, a verdade virá facilmente ao de cima e por isso basta-nos olhar para a qualidade dos desafios e das pessoas que cada um anda a atrair para termos uma ideia sobre a frequência energética e emocional em que cada um está.

Infelizmente a educação que nos deram ficou-se pela triste e deprimente ausência total de consciência deste processo, pela desresponsabilização de que a nossa energia co-cria a nossa realidade e como tal podemos alterá-la e pelo simples julgamento negativo do outro sem percebermos que o outro está na nossa realidade pois encontra-se na nossa vibração.

Esta falta de “noção do eu” e do processo de “atracção”, do que somos (energia), do poder que temos (de co-criar e mudar a realidade), tornou-nos presas fáceis do manipulador ego que resiste a todo e qualquer processo de consciência.

Seja do reconhecimento das nossas sombras ou vibrações mais baixas. Seja do reconhecimento da nossa luz ou das vibrações mais altas.
Por isso nos tornamos agressivos quando nos apontam uma sombra.
e resistimos envergonhadamente quando nos mostram a nossa luz.

O grande processo de auto-conhecimento começa então com a simples pergunta:

– Quem sou eu?

Não quem os outros dizem que sou ou acham que eu deveria ser, mas simplesmente e conscientemente, quem EU SINTO que sou. Quem eu tenho consciência de ser, de todas as parte que mostro e não mostro ao mundo.
Ou seja, que consciência já tenho das minhas sombras e dos meus potenciais (luz).

Só depois de consciente esta resposta, validada pelas várias energias que nos rodeiam, podemos então escolher:

– Quem eu quero ser?

Será então este ajuste emocional e vibracional da energia interior que irá mudar as energias exteriores.
A nossa energia cria a nossa realidade. De nada nos serve lutarmos contra a realidade sem a noção de que ela é co-criada por nós.
Tanto o que ela espelha de melhor como o que espelha de pior.

Nesta visão da realidade excluem-se todos os conceitos de:
Sorte, Azar, Vitmização, Culpa, Julgamento, “se…”, “quando…”, castigo, “mau karma”

Ficam então 3 perguntas que se assim o permitires, poderão ser o principio de um novo padrão e de uma nova qualidade de vida;

“Quem és tu?”

“Quem é que queres ser?”

“O que estás a fazer para subir a tua vibração?”

Abraços
Vera Luz

(texto original aqui)

Novo Ano Chinês – Cabra

O Ano Novo na China é um momento de muita alegria para milhões de chineses em todo o mundo, porque marca o fim do inverno e a celebra o início de plantio e a volta da vida na Terra.

goat15
2015 corresponde ao ano 4713 (contado desde o primeiro reino da civilização chinesa).
O ano chinês é determinado tanto pelas fases da Lua como a posição do Sol.  É por isso que o início de cada ano acontece sempre em datas diferentes e coincide com a noite da Lua Nova mais próxima do dia em que o Sol passa pelo grau 15 de Aquário.
Assim, Lua Nova a 19 de fevereiro marca o início do Novo Ano, o Ano da Cabra, que se prolonga até 7 fevereiro de 2016.

Espera-se uma atmosfera mais calma, após o tumultuoso Ano do Cavalo. Associada ao elemento Madeira, o Ano da Cabra/Madeira vai libertar energia criativa, permitindo também momentos de contemplação e usufruto dos objectivos alcançados, respirar fundo e seguir em frente. É também importante pensar nos outros, partilhar e espalhar boas acções

Considerada como um dos animais mais auspiciosos do zodíaco chinês, a Cabra/Madeira promete trazer um ano em que será mais fácil promover acordos, entendimentos e reconciliações.
É bem provável que haja maior desejo de paz e tranquilidade.  Apesar de algumas divergências que possam surgir, muitos conflitos e guerras poderão terminar devido à habilidade de coexistirmos de forma pacífica. Também poderá ser um tempo de união, lealdade e perdão.

Convém não esquecer que a sensibilidade da Cabra poderá trazer momentos de frustração quando as coisas não correm como planeado ou perante pequenos problemas que teremos tendencia a empolar.

Não será um ano indicado para atividades intensas e agitadas, mas para refletirmos em nosso modo de agir e explorarmos o autoconhecimento. Haverá grande vontade de viver livre, sem restrições e amarras, o que poderá trazer muitas transformações por meio de mudanças, tanto na esfera familiar quanto no trabalho e na forma de nos apresentarmos ao mundo. goatyear2015

 

ocultos2

Dia dos Namorados ou Festival de Lupercalia?

Seja qual for a origem do Dia de S. Valentim, a data esteve associada a uma comemoração bastante diferente – o Festival de Lupercalia, a 15 de fevereiro.

IMG_1493
Um festival dedicado à fertilidade e em honra da loba que amamentou Romulo e Remo. O dia 14 de Fevereiro era, na licenciosa Roma, a véspera do Festival de Lupercalia, que, antes do ano 496, honrava Juno, Rainha dos Deuses Romanos, Deusa das Mulheres e guardiã do Amor.
Em Roma desfilavam mancebos, correndo desnudos e besuntados com o sangue de cabras, barafustando as línguas extirpadas dos animais sacrificados. As romanas que fossem marcadas pela dita língua ficariam prontas a ser “tocadas” pela fertilidade.

No Festival de Lupercalia, os enamorados também deixavam o nome de uma donzela numa tômbola para que esta fosse sorteada por qualquer outro cidadão. Foi nesse desinteressado gesto de prodigalidade romana que, mais tarde, por volta do século XVIII, se terão inspirado os postais de São Valentim.
A partir de 496 o Papa Gelasius I pôs fim às licenciosidades do amor livre, decretando o dia 14 de Fevereiro como consagrado a São Valentim, cuja veneração não se compadecia com desvarios pagãos.

Mercúrio em Aquario, ano 8 de Saturno em Sagitário

A comunicação flui mas o ego ainda quer dominar. Momento para cultivar o poder pessoal amoroso, o discernimento compassivo.
IMG_1487
E hoje dia 12 de Fevereiro Mercúrio passa a Directo, pedindo o diálogo e o melhor fluir da comunicação. Em Aquário apela a que haja fraternidade, cooperação, numa abertura genuina em que não se cale o que se sente e pensa. Contudo Sol em Aquário oposto a Júpiter em Leão Retrogradado, dá fricção, no se querer ter razão, no insuflar dos Egos, na rigidez nervosismo e inflexibilidade, e a Lua ainda em Escorpião em transição para sagitário torna acutilante o mergulho. Que nos salve o discernimento amoroso de Peixes onde Quiron Vênus e Marte se encontram, pedindo compaixão e amor incondicional. Resgatem o vosso Amor pessoal e Amor aos outros, o vosso Poder Pessoal criando contudo pontes para que haja crescimento. Hora da verdade… O que realmente sentimos, desejamos e estamos dispostos a construir. Ano 8 e Saturno em Sagitário. Cultivem bons paradigmas e sejam fieis a uma vibração elevada que atraia abundância.

Paula Couto, astróloga
Consultas de Astrologia no Estrela Zen a partir de março.

Imbolc – Preparar a Primavera

A meio caminho entre o Solstício de Inverno e o Equinócio de Primavera, as festividades do Imbolc estão enraízadas na cultura celta e adaptaram-se também ao calendário cristão.

6987987111

Originalmente uma festa associada à deusa Brighid, foi “cristianizada” como sendo uma celebração a St. Brígida, assinalada a 1 de fevereiro.

É um festival de fogo, com particular ênfase na luz, com o sol a aproximar-se e a querer trazer dias mais longos e calorosos.
Imbolc pode traduzir-se por “carregar no ventre” e é tradicionalmente associado à abundância, fertilidade e sentido de família da deusa Brigit, que traz também energia de cura, lançando sementes para novos caminhos.
Afirmações feitas nesta altura irão concerteza ganhar raízes fortes, ajudando à concretização plena das nossas ideias e sonhos.

Seguir

Get every new post delivered to your Inbox.

Junte-se a 2.226 outros seguidores